Matéria de capa da edição de agosto da VOCÊ S/A, que traz participação de Patricia Epperlein, Presidente Internacional da STATO:

A habilidade de mobilizar pessoas e recursos em prol de um objetivo comum potencializa a criatividade, a inovação e a geração de resultados acima da média. Conheça a competência mais revolucionária desde a descoberta da inteligência emocional

POR MARIANA AMARO

Um segundo parece pouco tempo, mas, na internet, nesse intervalo quase 67.000 pesquisas são feitas no Google, mais de 7.000 tuítes são postados, 69.000 vídeos são vistos no Youtube e 2,5 milhões de e-mails são enviados, segundo informações da Live Stats, empresa que monitora o uso da web em todo o mundo. Os números são impressionantes e exemplificam um marco histórico do mundo contemporâneo: pela primeira vez, bilhões de pessoas, de todos os países e classes sociais, estão conectadas. Mas esses dados grandiosos podem deixar uma falsa impressão – a de que a maior parte da população mundial domina, com maestria, a arte de construir relacionamentos consistentes, de mobilizar parceiros e recursos e, consequentemente, realizar grandes projetos. Não é bem assim.

Na vida real, as pessoas ainda sofrem para criar laços que realmente valham a pena – a chamada “inteligência relacional”. O termo foi cunhado pelas pesquisadoras Erica Dhawan e Saj-Nicole Joni, especialistas em liderança e carreira, que escreveram juntas o livro Get Big Things Done: the Power of Connectional Intelligence (“Faça grandes coisas: o poder da inteligência relacional”, numa tradução livre, ainda sem edição no Brasil) e acreditam que, nos próximos anos, a habilidade será tão importante e revolucionária quanto foi a inteligência emocional no passado. Essa nova inteligência é uma espécie de “networking objetivo”, que se vale dos relacionamentos para gerar inovação, aprender e alcançar resultados com mais rapidez e qualidade. “É uma das habilidades mais importantes do século 21, pois une sabedoria, informação e dados para resolver problemas em todas as áreas”, diz Homero Reis, coach e autor de Gente Inteligente Se Olha no Espelho (Tagore, 59,90 reais), de Brasília.

Um bom exemplo vem dos desportistas de alto nível, como os medalhistas olímpicos Michael Phelps, da natação, ou Usain Bolt, do atletismo, que se cercam de uma cadeia de profissionais, como técnicos, consultores e médicos, que os ajudam a desenvolver ao máximo suas competências. Ter um staff desse tipo foi crucial para que eles alcançassem seus recordes. “O sucesso requer trabalho em equipe, influência e compartilhamento de uma visão comum”, afirma Homero. O importante é cultivar bem sua rede e entender que quantidade não é qualidade. “Vale mais ter, na sua rede, uma pessoa influente da área em que você trabalha a centenas de pessoas de outros setores que não têm esse poder”, diz Erica Dhawan.

Na conversa
A inteligência relacional pode ser usada das formais mais diversas – e mais simples. Em uma multinacional de auditoria, por exemplo, a consultoria de Erica Dhawan propôs uma mudança fácil de ser implantada e muito eficaz para melhorar os processos: uma plataforma em que os funcionários pudessem classificar os colegas indicando em que eles eram bons – mesmo que aquilo não fizesse parte de seu escopo de trabalho. Um analista de marketing, por exemplo, poderia ter em suas tags o domínio da língua espanhola. Assim, um funcionário que tivesse dificuldade de se comunicar com profissionais do escritório da Espanha saberia exatamente a quem recorrer sem precisar mandar uma dúzia de e-mails. “Transformamos uma plataforma que já existia numa versão mais inteligente para conectar pessoas”, diz Erica.

A comunicação é o primeiro ponto a que você deve se dedicar para desenvolver a competência. “Tudo o que você faz em sua vida é conversa. Primeiro você conversa e contratos são firmados, decisões são tomadas. Portanto, saber procurar e estabelecer padrões de relacionamento com base em nossas conversas é essencial”, diz Homero.

[…]

Poder de conexão
Segundo a pesquisadora Erica Dhawan, a inteligência relacional é composta de cinco atitudes básicas. A seguir, como descobrir se você já tem essa competência.

Atitude 1
CURIOSIDADE

Eu procuro explorar diversos ângulos de um problema em busca de novas perspectivas?

Atitude 2
COMBINAÇÃO

Eu costumo reunir diferentes ideias, recursos e produtos e combiná-los para criar novos conceitos?

Atitude 3
COMUNIDADE

Como é minha relação com a minha comunidade? Eu poderia me conectar com mais e diferentes pessoas para desenvolver novas ideias?

Atitude 4
CORAGEM

Eu fujo de conversas difíceis ou procuro encorajar esse comportamento em minha equipe?

Atitude 5
COMBUSTÃO

Eu tenho mobilizado e encorajado minhas redes a pensar diferente também?

[…]

Lazer e negócios
A base da inteligência relacional é o networking, palavra que incomoda muita gente, principalmente os mais introvertidos. Mas construir uma rede sólida de relacionamentos não precisa ser algo forçado – você pode criar laços produtivos para o negócio por meio de afinidades pessoais. Identificar as oportunidades futuras é o pulo do gato de quem tem inteligência relacional. Esse foi o caso do britânico Greg Kelly, de 31 anos, no Brasil desde 2014, e do americano Brian Begnoche, de 33 anos, que se mudou para o Rio de Janeiro em 2008. A dupla se conheceu há três anos. O contexto não tinha a ver com negócios: os dois jogavam rúgbi e acabaram praticando o esporte juntos em uma praia no Rio. “Entre jogadas e conversas, tivemos a ideia de fundar a EqSeed, uma plataforma de financiamento colaborativo que conecta startups a investidores, porque nós dois queríamos contribuir com o ecossistema de startups do país”, diz Brian. No esporte, a dupla encontrou o valor da companhia: a ética. “Já analisamos mais de 900 empresas e selecionamos cinco. A régua é alta porque queremos pessoas que tenham a cultura daquilo que o esporte tem de melhor: o trabalho em equipe, a ética e o respeito”, diz Greg.

Quando há pontos em comum, como foi o caso de Greg e Brian, o relacionamento pode fluir mais facilmente, pois já existe um alinhamento natural. O segredo é compreender que as possibilidades de negócios estão em todos os lugares. “Sua chance de ter sucesso com um novo contato é maior se você procurar assuntos em comum”, diz Patricia Epperlein, da STATO, consultoria de recrutamento de executivo, de São Paulo.

[…]

NÃO EXAGERE NA DOSE
Os cuidados que você deve tomar para ter relacionamentos mais inteligentes

ATENÇÃO COM O QUE É DITO
Inteligência relacional não é sobre ser introvertido ou extrovertido, mas sobre a qualidade da relação.

QUESTIONE NA MEDIDA
Pensar em formas diferentes de fazer as coisas é bom, mas buscar disrupção pela antagonização pode prejudicar o clima de trabalho

ADAPTE-SE SEMPRE
Estudar o ambiente, a cultura e saber se comportar dentro desse meio é essencial para não acabar “expelido”

RETRIBUA
Não use sua rede de relacionamentos só para pedir, pedir, pedir. É importante contribuir de alguma forma

NÃO FIQUE SÓ NO VIRTUAL
As redes sociais e a internet facilitaram as conexões, mas conhecer uma pessoa ao vivo e apertar sua mão aumenta a chance de ela se lembrar de você

FONTE: PATRICIA EPPERLEIN, DA CONSULTORIA DE CARREIRA E RECOLOCAÇÃO STATO