A STATO reuniu três executivos que comandam operações nacionais de grandes empresas em um webinar transmitido ao vivo pela plataforma STATO Play, nessa quarta-feira, dia 15. Com mediação de Rubens Prata, CEO da STATO, Aksel Krieger, da BMW Group Brasil, Andre Mendoza, da ISDIN Brasil, e Gustavo Fernandes, da CSL Behring, discutiram o tema “Gestão prática na crise” e compartilharam desafios e aprendizados junto a seus times em meio à pandemia do coronavírus. Veja a íntegra do conteúdo aqui.

Além da saúde dos colaboradores, a adoção em massa do trabalho remoto, questões logísticas e o aumento da taxa cambial são algumas das medidas que exigem a atenção dos executivos. Em avaliação unânime, eles concordam que a magnitude da doença superou expectativas, impossibilitando o preparo adequado para as consequências iminentes. O efeito foi uma mudança radical no planejamento estratégico e operacional, encurtando ciclos de decisões e reorganizando prioridades.

Apesar da tormenta, os três executivos demonstram otimismo no horizonte e preveem águas mais calmas no futuro pós-pandemia. Também compartilham lições valiosas obtidas durante a crise e apostam em mudanças comportamentais motivadas pelas dificuldades que hoje afetam o País.

Confira abaixo algumas das mensagens otimistas dos CEOs durante webinar organizado pela STATO:

Aksel Krieger (BMW Group Brasil): “Vejo os meus filhos em casa e eles se adaptam mais facilmente a este novo normal ou anormal. Existem oportunidades. Por que não ter mais home office para que as pessoas possam ficar em casa com suas famílias? O lado digital tem funcionado bem. Estou orgulhoso do meu time, que está vindo com muitas ideias. É uma fase que vai passar, mas vamos manter o lado colaborativo. Os Recursos Humanos vão valer ainda mais depois da crise”.

Andre Mendoza (ISDIN Brasil): “Estamos aprendendo na marra o trabalho remoto. Vejo oportunidade de team building (construção de equipe), tendo mais proximidade com as equipes e também entre as pessoas. Acredito que a forma como você faz a sua limonada vai ser a diferença. Ou você usa esta oportunidade para se reinventar, considerando que o mundo é digital, ou vai ficar apenas trabalhando durante esta fase. E não tem idade para isso. A capacidade de mudar existe, e tem toda uma nova geração já preparada para isso”.

Gustavo Fernandes (CSL Behring Brasil): “A crise ensina resiliência, a ser solidário. Os hábitos vão mudar em alguma escala. A digitalização do negócio, falada há anos, veio para ficar e estamos sendo obrigados a fazer isso, o que vai trazer mudanças. Temos que aprender a viver com a incerteza. Vamos sair mais fortes da crise e a economia vai voltar a crescer, com atenção para a recuperação das empresas”.